(Arquivo) Bombeiros israelenses combatem o fogo na fronteira com a Faixa de Gaza. Foto: Edi Israel/Flash90 (Arquivo) Bombeiros israelenses combatem o fogo na fronteira com a Faixa de Gaza. Foto: Edi Israel/Flash90

Nas últimas 24 horas, as autoridades israelenses contabilizaram 63 focos de incêndio provocados por balões incendiários e explosivos lançados por terroristas desde a Faixa de Gaza.


 

Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 23/08/2020

 

Pela primeira vez em 10 dias, os israelenses despertaram sem a informação de que caças da força aérea haviam bombardeado posições militares do Hamas na Faixa de Gaza em resposta aos ataques do grupo terrorista ao país. Isto, mesmo após um sábado em Israel onde ao menos 35 incêndios foram provocados por balões incendiários e explosivos lançados por terroristas de grupos como o Hamas e a Jihad Islâmica.

 

 

Na manhã deste domingo (23), parecia que as autoridades israelenses tentavam unilateralmente, quebrar a cadeia de agressões e retaliações entre o Hamas e o Exército de Defesa de Israel (IDF). Parecia que Israel estava criando uma oportunidade para que a escalada do conflito fosse interrompida, mas o grupo terrorista Hamas optou por não aproveitar esta chance e durante todo o dia deste domingo (23), lançou dezenas de balões incendiários e explosivos contra o território israelense.

 

 

 

Segundo as autoridades, apenas neste domingo, foram 28 os incêndios em comunidades agrícolas e reservas naturais israelenses próximas a fronteira com a Faixa de Gaza provocados pelo terror dos balões. Aliados ao forte calor e ao clima seco do verão do Oriente Médio, estes balões são uma verdadeira ameaça não apenas aos cidadãos israelenses, mas a fauna e flora local. Desde o início deste mês, centenas de hectares de lavouras e vegetação já foram destruídos pelas chamas provocadas por estes balões aos quais são amarrados dispositivos incendiários e até explosivos.