Metralhadora apreendida com um dos terroristas (Polícia de Israel) Metralhadora apreendida com um dos terroristas (Polícia de Israel)

“Evitamos graves atentados”, disse o General Aviv Kochavi, Chefe do Estado-maior das Forças de Defesa de Israel, IDF na sigla em inglês.


Por Unidos com Israel

Tel Aviv, 26/09/2021

Dois soldados da unidade de elite “Duvdevan” do IDF ficaram gravemente feridos e 5 palestinos morreram durante uma operação das forças de segurança israelenses que visou prender integrantes do grupo terrorista Hamas em diversos locais da Judéia e Samaria. Isto, durante a madrugada deste sábado para domingo.

Os soldados israelenses foram encaminhados para o hospital Rambam na cidade de Haifa. Depois de operados seu quadro clínico, apesar de crítico, é considerado estável.

Entre os 5 palestinos mortos, 3 foram identificados como membros da organização terrorista Hamas e um como integrante da Jihad Islâmica Palestina.

 


Osama Subuh, um dos terroristas mortos pelas forças israelenses durante a operação deste sábado.

 

Terroristas do Hamas e da Jihad Islâmica Palestina na cidade árabe de Jenim.

 

 

A quinta vítima, Yosef Subuh (16), apesar de não haver sido identificado como membro de uma organização terrorista aparece em ao menos uma foto (abaixo) segurando uma metralhadora automática M-16.

 

De acordo com as autoridades a operação do IDF em parceria com o Shin Bet, serviço de inteligência doméstico de Israel, teve por objetivo prender integrantes do Hamas que planejavam iminentes atentados.

Além dos terroristas mortos, outros 20 suspeitos foram presos e alguns seguem foragidos.

De acordo com o Chefe do Estado-maior das Forças de Defesa de Israel, General Aviv Kochavi, a série de prisões realizadas durante a madrugada frustrou “graves atentados terroristas”.

“Estes atentados poderiam haver acontecido em Jerusalém, Netanya, Tel Aviv, Afula ou em qualquer outro lugar de Israel”, disse ele classificando a operação como uma significativa conquista do serviço de inteligência e demais forças israelenses.

“Temos de fazer uma apreciação e tirar conclusões, como em qualquer outra ação operacional”, continuou Kochavi, “mas uma coisa é certa, o engajamento de nossos soldados e o resultado da operação anulou esta célula terrorista que agia nas regiões de Menashe e Binyiamion”.