Israel conclui hoje, o maior exercício militar do ano (Foto: Dover Tzahal) Israel conclui hoje, o maior exercício militar do ano (Foto: Dover Tzahal)

Apelidado de “Flecha Fulminante”, o exercício militar simula confrontos em diversas frontes de batalha, mas dedica-se principalmente, a uma guerra com o Hezbollah.


Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 29/10/2020

 

As Forças de Defesa de Israel, IDF na sigla em inglês, concluem hoje o maior exercício militar de 2020. Comandado pelo Estado-maior do exército israelense, o exercício mobilizou milhares de soldados, inclusive da reserva.

Batizado de “Flecha fulminante”, este exercício de grandes proporções tem o objetivo, de acordo com o Porta-voz do Exército de Defesa de Israel, de “melhorar a habilidade ofensiva do IDF e treinar todas as suas esferas, de forma conjunta”. Participam das manobras, o Estado-maior e as três forças do IDF, exército, marinha e aeronáutica.

Todas as suas unidades de infantaria, blindados, logística, comunicação, tecnologia, inteligência, saúde e jurídica foram mobilizadas para esta enorme operação que vem sendo planejada há semanas pelo comandante das Forças de Defesa de Israel, General Aviv Kochavi. Há 5 dias, as tropas simulam combates em as frontes de batalha, de norte a sul de Israel.

Mas apesar da ameaça constante de grupos como o Hamas e a Jihad Islâmica, presentes não apenas na Faixa de Gaza, mas como na região da Judéia e Samaria através de suas células terroristas, o norte de Israel é a região que mais preocupa as autoridades israelenses. Isto porque do outro lado da fronteira, no Líbano, encontra-se o grupo terrorista Hezbollah, uma organização muito bem estruturada, treinada, armada e que tem como aliados, o ditador sírio Bashar al-Assad e o Irã.

Mesmo preocupado com as incertezas provocadas pela explosão no porte de Beirute e apesar da insegurança no cenário político libanês, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, em cada uma de suas aparições públicas, faz ameaças ao Estado de Israel. Por esta razão, o Estado-maior do IDF decidiu concentrar seus esforços na região do Comando Militar Norte e simular, entre outros cenários, uma guerra de grandes proporções com o grupo terrorista Hezbollah.

Netanyahu ao lado do General Aviv Kochavi (à esquerda de cabeça baixa) e do Comandante da Unidade de Inteligência do IDF, Gen. Tamir Heyman (Foto: Amos Ben Guershon, GPO)

“Mesmo durante a pandemia do coronavírus, nossos inimigos não param de agir e por isso, nós não podemos deixar de fazê-lo”, disse o Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu durante uma visita nesta quarta-feira (28), ao centro de comando do exercício Flecha Fulminante.

Netanyahu disse estar impressionado com a capacidade ofensiva do IDF sob o comando do General Aviv Kochavi. “O Hezbollah e o Líbano devem levar isto em consideração. Aqueles que nos atacarem encontrarão um poder de fogo e um punho de aço, capaz de destruir qualquer inimigo”, concluiu Netanyahu.