Arquivo: Presidentes de Israel e da Coréia do Sul se cumprimentam em Seul (Jung Yeon-je/Pool Photo via AP) Arquivo: Presidentes de Israel e da Coréia do Sul se cumprimentam em Seul (Jung Yeon-je/Pool Photo via AP)

Coréia do Sul receberá ainda hoje 700.000 doses da vacina contra o coronavírus enviadas por Israel.


Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 06/07/2021

 

Os governos de Israel e da Coréia do Sul firmaram na noite desta segunda-feira (5) um acordo que prevê a troca entre os dois países, de doses excedentes da vacina contra o coronavírus. A transação foi mediada pela Pfizer e acertada após conversas entre o primeiro-ministro Naftali Bennett e Robert Bourla, CEO da gigante farmacêutica.

De acordo com os termos do acordo, Israel enviará imediatamente 700.000 doses da vacina com validade até o fim deste mês para Seul e receberá a mesma quantidade entre os meses de setembro e outubro deste ano. As doses a serem recebidas por Israel são provenientes de um carregamento de vacinas programado para o país asiático.

Através de um post nas redes sociais Bennett disse que este acordo é uma vitória para todas as partes envolvidas. Por um lado, a Coréia do Sul será capaz de acelerar imediatamente sua campanha de vacinação e por outro, Israel receberá doses com um prazo de validade maior para serem usadas quando necessário.

O acordo entre Jerusalém e Seul começou a ser arquitetado após a quebra de contrato e recusa da Autoridade Palestina em receber 1.4 milhões de doses da vacina contra o coronavírus provenientes do excedente de Israel. Na ocasião, a Secretária de Saúde da Autoridade Palestina, Mai Al-Kaila, disse que o acordo foi quebrado porque as vacinas estavam prestes a espirar.

Em resposta a acusação feita pela secretária palestina o Ministério da Saúde de Israel emitiu uma nota dizendo que as doses da vacina enviadas para Ramallah estavam com a “validade perfeita” e que eram idênticas aquelas administradas em cidadãos israelenses.

Desde então, e diante de um aumento no número de casos do coronavírus, Israel voltou a promover sua campanha de imunização convocando adolescentes com idade entre 12 e 15 anos a vacinarem-se.