Reuven Rivlin, Presidente do Estado de Israel, toma a vacina da Pfizer contra o coronavírus (Mark Neyman, GPO) Reuven Rivlin, Presidente do Estado de Israel, toma a vacina da Pfizer contra o coronavírus (Mark Neyman, GPO)

A partir de amanhã, todos os israelenses maiores de 16 anos poderão tomar a vacina contra o coronavírus.


Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 03/02/2021

 

Nesta quarta-feira (3), o Ministério das Saúde de Israel instruiu os 4 planos de saúde do país, a se prepararem para a ampliação imediata da campanha de vacinação. Assim, já a partir de amanhã, todos os israelenses maiores de 16 anos poderão agendar um horário para tomar o medicamento desenvolvido pelas empresas Pfizer e BioNTech, em um dos diversos postos de vacinação espalhados pelo país.

A ampliação da campanha “De Volta à Vida” em Israel se dá em um momento em que as autoridades sanitárias identificam uma queda na adesão da população à vacinação. Diferente dos dias em que por aqui se vacinavam mais de 200 mil pessoas, ontem por exemplo, apenas 100.121 doses do medicamento foram aplicadas. Isto, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde de Israel na manhã desta quarta-feira.

Israel iniciou a campanha de vacinação contra o coronavírus no último dia 20 de dezembro e priorizou a imunização de profissionais da área da saúde e idosos. Com o passar dos dias, a campanha foi sendo ampliada e a idade mínima de vacinação reduzida gradativamente.

Com pouco mais de 9 milhões de habitantes, Israel já administrou 5.160.838 doses da vacina da Pfizer contra o coronavírus. Segundo dados do Ministério da Saúde divulgados hoje, 3.271.216 israelenses já receberam a primeira dose da vacina e 1.889.662 cidadãos já foram vacinados também com a segunda dose do medicamento. Este é o momento de lembrar, que de acordo com os estudos divulgados pela Pfizer a imunização contra o coronavírus é alcançada em média 7 dias após a administração da segunda dose da vacina.

Diante destes números, e de um estudo apresentado pelo Ministério da Saúde que demonstra que apenas 0,07% do total de cidadãos com mais de 60 anos imunizados contraíram o coronavírus, o Primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, prometeu flexibilizar o lockdown. Isto, já a partir da próxima semana.

Netanyahu veio ontem à público pedir a adesão dos israelenses à campanha de vacinação. Segundo ele, o plano é concluir a imunização de 90% dos cidadãos entre 60-69 anos já nas próximas duas semanas.