Arquivo: crianças trabalham em regime análogo à escravidão no Paquistão (caption/Youtube) Arquivo: crianças trabalham em regime análogo à escravidão no Paquistão (caption/Youtube)

O Departamento de Estado dos Estados Unidos divulgou na semana passada, um estudo sobre um dos crimes mais bárbaros ainda cometidos pela humanidade, o tráfico de pessoas.


 

Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 28/06/2020

 

Pelo nono ano consecutivo, o Estado de Israel está no topo da lista de países que mais lutam para combater um dos mais bárbaros crimes ainda cometidos pela humanidade, o tráfico de pessoas. Além de Israel, estão no topo da lista países como a Austrália, o Canadá, o Reino Unido e a Nova Zelândia e mais.

A lista foi elaborada a partir de um estudo realizado pelo Escritório de Monitoramento e combate ao Tráfico de Pessoas, um dos braços do Departamento de Estado dos Estados Unidos. Desde o ano 2000, quando foi criado, o órgão vem trabalhando para erradicar este crime da face da terra.

A lista deste ano celebrou os 20 anos da instituição e classificou os países analisados em quatro grupos. Isto, de acordo com as ações adotadas para combater o tráfico de pessoas.

Enquanto Israel, França, Finlândia, Portugal, Suiça e Espanha estão no grupo de países que mais ações adotam para erradicar o tráfico de pessoas, outros países e até algumas potências mundiais estão nas últimas colocações. Este é o caso da Rússia, China, Afeganistão, Venezuela, Cuba, Coréia do Norte, Irã e mais.

De acordo com o estudo, durante o ano de 2019, 125 investigações relacionadas ao tráfico de pessoas foram instauradas pelas autoridades israelenses e 20 processos penais foram abertos.

Além disso, no ano passado em Israel foram identificadas 73 vítimas de tráfico de pessoas. Entre elas, 39 pessoas vítimas do tráfico sexual e 34 em situação análoga à escravidão.