Líder da Al Qaeda, Ayman Al-Zawahiri (Foto: caption/YouTube) Líder da Al Qaeda, Ayman Al-Zawahiri (Foto: caption/YouTube)

Em um vídeo em comemoração a 11 de setembro, líder da Al-Qaeda pede que palestinos cometam atentados terroristas contra Israel, EUA, Europa e Rússia.

Unidos com Israel

Em um vídeo, divulgado em comemoração aos atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos,o egípcio, líder da organização terrorista El-Qaeda, Ayman Al-Zawahiri (68), pede que muçulmanos cometam atentado terroristas em todo o mundo.

“O exército dos Estados Unidos está espalhado pelo mundo todo e é responsável pala propagação da corrupção”, disse Al-Zawahiri, um dos terroristas mais procurados do mundo.

Ele então se dirige aos muçulmanos e pede que sejam cometidos atentado terroristas nos Estados Unidos, Rússia e Europa.  “Se vocês quiserem que a Jihad se concentre somente em posições militares, os Estados Unidos têm bases espalhadas pelo mundo, seus países estão cheios de bases americanas e lá estão todos os infiéis e a corrupção”, disse.

Zawarim que assumiu a liderança da Al-Qaeda depois da morte de Bin Laden, falou também sobre o reconhecimento das Colinas do Golã como parte do território, pelo governo americano, como parte do território israelense. O sucessor de Bin Laden, pediu que os palestinos se levantem contra Israel e cometam atentado terroristas suicidas.

No vídeo de 33 minutos de duração aproximadamente, o terrorista ainda teve tempo de criticar aqueles muçulmanos que deixaram de apoiar os atentados de 11 de setembro de 2001. Segundo ele, a morte de inocentes não é motivo suficiente para trair os ideais jihadistas.

Em 11 de setembro de 2001, uma série de atentados nos Estados Unidos, tirou a vida de quase 3000 pessoas. Aviões sequestrados por terroristas da organização Al-Qaeda foram lançados contra as Torres Gêmes em Nova Iorque, contra o Pentágono e um dos aviões caiu na Pensilvânia.

 

 

Ontem, em todo o mundo, foram realizados atos em memória as vítimas dos ataques. Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump participou de um ato no Pentágono. Milhares de pessoas se reuniram no marco zero, o exato local das torres do World Trade Center, para recordar e homenagear amigos e familiares.

Em Tel Aviv, a prefeitura da cidade foi iluminada com as cores da bandeira do Estados Unidos.