Local do atentado terrorista contra uma sinagoga em Halle na Alemanha no dia de Yom Kipur. (AP/Jens Meyer) Local do atentado terrorista contra uma sinagoga em Halle na Alemanha no dia de Yom Kipur. (AP/Jens Meyer)

Terrorista matou duas pessoas na cidade de Halle na Alemanha depois em um ataque contra uma sinagoga no dia de Yom Kipur, o dia mais sagrado do ano para os judeus.

Unidos com Israel

Ontem, enquanto judeus do mundo inteiro jejuavam e celebravam o Yom Kipur, o Dia do Perdão, um atentado terrorista chocou a Alemanha, o mundo e fez duas vítimas.

O atentado aconteceu na cidade de Halle, no leste da Alemanha, no dia mais sagrado do calendário judaico.

Por volta das 11h da manhã, horário local, as autoridades alemãs confirmaram que tiros haviam sido disparados contra uma sinagoga. Pouco tempo depois, confirmou-se a morte de duas pessoas.

O terrorista, um alemão de 27 anos identificado como Stephan Balliet, usava trajes militares durante o ataque. Toda a ação foi transmitida ao vivo pela internet através de uma câmera instalada no capacete do terrorista, aparente mais de 2000 pessoas assistiram ao ataque ao vivo.  As imagens foram tiradas do ar pelas autoridades.

Stephan Balliet deu início ao tiroteio ao tentar invadir uma sinagoga durante a reza matinal de Yom Kipur. O terrorista atirou diversas vezes contra a porta da sinagoga, ela não cedeu e ele não conseguiu abri-la.  “Desculpa, gente, esta arma é um lixo”, disse ele no vídeo.

De acordo Kristina Frintz, dona de um salão de beleza situado ao lado da sinagoga, o terrorista atirou diversas vezes contra a porta da sinagoga e tentou derrubá-la. Ao falhar, ele pulou o muro da sinagoga que dá acesso ao cemitério da comunidade judaica local, e então uma enorme explosão foi ouvida. “Tudo pareceu surreal. Nós tínhamos clientes e trancamos a porta. O atirador fugiu correndo”, disse ela aos meios de comunicação alemães.

A polícia local confirmou que explosivos foram encontrados próximo a sinagoga, aparentemente o terrorista lançou uma granada contra a sinagoga.

Max Privorotzki, líder da comunidade judaica local disse que a sinagoga estava lotada no momento do ataque e que todos os fiéis assistiram a ação através das câmeras de segurança. “Nós vimos tudo, vimos também quando ele atirou e matou uma pessoa. Eu pensei que a porta não aguentaria. Nós estávamos em pânico”, disse ele.

Depois de não conseguir entrar na sinagoga, Stephan Balliet, atirou contra pedestres que passavam pelo local. Ele conseguiu matar um homem e uma mulher, e ferir outras duas pessoas antes de ser preso pela polícia.

O Ministro do Interior do governo alemão, Horst Seehofer, confirmou que o atentado foi motivado pelo antissemitismo.

Ontem a noite, horas depois do ataque a Primeira-ministra da Alemanha Angela Merkel, visitou o local do ataque e se uniu a centenas de pessoas que realizaram um ato de solidariedade as vítimas em frente a sinagoga.