Yahya Sinwar, líder do Hamas na Faixa de Gaza, carrega uma criança como escudo ao discursar para apoaidores após o último conflito com Israel (Atia Mohammed/Flash90) Yahya Sinwar, líder do Hamas na Faixa de Gaza, carrega uma criança como escudo ao discursar para apoaidores após o último conflito com Israel (Atia Mohammed/Flash90)

Decisão do Ministério do Interior do Reino Unido acaba com distinção entre o braço armado e o político da organização terrorista palestina.


Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 19/11/2021

 

A Ministra do Interior do Reino Unido, Priti Patel, anunciou na sexta-feira (19) que um projeto de lei criminalizando o grupo Hamas em sua totalidade e classificando-o como uma organização terrorista foi protocolado junto à Casa dos Comuns, a câmara baixa do parlamento britânico.

O projeto de lei ainda precisa ser debatido e votado, o que deve acontecer no dia 26 deste, mas, a previsão é de que ele seja aprovado pela maioria do parlamento do Reino Unido.

“O Hamas tem uma capacidade terrorista significativa, incluindo o acesso a um vasto e sofisticado arsenal de armas, além de centros de treinamentos terroristas. Por isso, hoje eu adotei medidas a fim de criminalizar o Hamas em sua totalidade”, diz uma nota publicada pela Ministra do Interior do Reino Unido.

Ainda segundo Patel, o governo de Boris Johnson “está comprometido com a luta contra o extremismo e o terrorismo onde quer que eles estejam”.

 

 

Em 2001 o Reino Unido criminalizou as Brigadas Izz al-Din al-Qassam, braço armado do Hamas, e o incluiu em sua lista de organizações terroristas. Mas até agora, a legislação britânica entendia que havia uma diferença entre as Brigadas Izz al-Din al-Qassam e o braço político do grupo, liderado por Ismail Haniyeh. Este último, não estava na lista de organizações terroristas e gozava de total liberdade para agir.

A absurda distinção entre o braço armado e o político do Hamas permitiu por anos, que a organização terrorista agisse dentro do território britânico, angariasse fundos e mantivesse uma longa lista de adeptos e apoiadores. Manifestações de apoio ao Hamas, disfarçadas de manifestações em prol da “causa Palestina”, são comuns por exemplo em Londres, onde há uma grande comunidade muçulmana.

Agora, graças à nova lei, qualquer ação do Hamas no Reino Unido ou afiliação ao qualquer um de seus grupos, facções ou braços, serão considerados crimes. O projeto do Ministério do Interior britânico permitirá ainda o congelamento apropriação de bens e fundos do Hamas.