PM de Israel, Naftalu Bennett, com o Diretor da AIEA, Rafael Grossi (Kobi Gideon, GPO) PM de Israel, Naftalu Bennett, com o Diretor da AIEA, Rafael Grossi (Kobi Gideon, GPO)

Resolução do Conselho de Governadores da AIEA foi aprovada por ampla maioria.


Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 09/06/2022

 

O Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) aprovou nesta quarta-feira (8), uma resolução condenando o Irã por violações nucleares e falta de cooperação com a agência regulatória internacional.

A resolução condenatória foi apresentada pelos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e França que urgem o Irã a esclarecer de onde vieram os vestígios de urânio enriquecido encontrados em três instalações não declaradas.

Ao todo, 30 dos 35 membros do Conselho de Governadores da AIEA votaram a favor da resolução contra o Irã. Apenas a Rússia e a China se opuseram e a Índia, Paquistão e Líbia se abstiveram.

Esta semana o Diretor da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Grossi, disse que o Irã está muito próximo de cruzar o limite de enriquecimento de urânio, material utilizado para a fabricação de bombas nucleares. Segundo ele, isto poderia acontecer em questão de semanas.

Rossi disse ainda que as informações e explicações de Teerã não são confiáveis além de tecnicamente inconcebíveis.

O Primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, celebrou a aprovação da resolução que segundo ele “afirma que o Irã não está cooperando com a Agência Internacional de Energia Atômica e não obedece a suas normas”.

“Esta é uma decisão importante que mostra a verdadeira face do Irã”, disse Bennett.

O Ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, também demonstrou contentamento com a resolução da AIEA e disse que o regime iraniano é uma “ameaça para a paz regional de global”. Segundo ele, a comunidade internacional deve “tomar atitude concretas” e adotar sanções diplomáticas e econômicas contra Teerã.