Presidente de Israel, Isaac Herzog (Kobi Gideon, GPO) Presidente de Israel, Isaac Herzog (Kobi Gideon, GPO)

As relações entre Israel e a Turquia estão estremecidas desde 2008 e chegaram ao fundo do poço em 2010, nunca mais retornando ao que eram.


Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 19/01/2022

 

Negociações estão acontecendo entre Jerusalém e Ancara para que o Presidente do Estado de Israel, Isaac Herzog, viaje à Turquia e seja recebido pelo presidente Recep Tayyip Erdogan. Se a viagem se confirmar, Herzog será o primeiro presidente israelense a visitar a Turquia desde Shimon Peres em 2007.

Durante uma coletiva de imprensa esta semana o presidente turco disse esperar reunir-se com Herzog em breve. Os dois já conversaram ao telefone ao menos em três ocasiões  desde que este último assumiu o cargo de Presidente do Estado de Israel no ano passado .

Vista por muitos na região como uma ameaça, a Turquia do islamista Erdogan é adversária da aliança Israel, Grécia e Chipre.

Desde 2008, as relações entre Jerusalém e Ancara vêm se deteriorando e estas chegaram a um patamar insustentável em 2010. Na ocasião, um grupo de “defensores dos direitos humanos” armados tentou furar por mar, o bloqueio israelense à Faixa de Gaza, território controlado pela organização terrorista Hamas. Isto, sob a alegação de estar levando ajuda humanitária à Gaza.

Após tentar contornar a situação e oferecer a possibilidade de que o navio atracasse no porto de Ashdod e a ajuda humanitária fosse transportada para Gaza por terra, em caminhões, a marinha israelense não teve outra opção senão interceptar o navio. Ao chegarem a embarcação, os soldados foram recebidos com muita violência . Foram apreendidas armas e até granadas.

Quando divulgado o balanço da “ajuda humanitária” transportada pelo grupo, que adotou o nome de “Flotilha da Liberdade”, foram encontrados medicamentos vencidos, materiais estragados e itens de segunda mão sem qualquer valor material ou utilidade. Tudo uma farsa, na tentativa de manchar a imagem do Estado de Israel perante a comunidade internacional.

O Hamas, aliado de Erdogan, recusou a carga e se negou a receber o material.

As relações entre Israel e a Turquia melhoraram com o passar dos anos e em 2016 os países voltaram a trocar embaixadores. Mas, dois anos depois, Ancara expulsou o embaixador israelense alegando novas divergências sobre a situação dos palestinos na Faixa de Gaza. Desde então, Israel não tem um embaixador na Turquia e vice-versa.

A vontade de Erdogan de aproximar-se de Israel pode ser explicada pela crise econômica pela qual passa a Turquia. A lira turca vem perdendo seu valor à índices históricos, a popularidade de Erdogan vem caindo e uma aproximação do ocidente não poderia vir em um momento melhor para o “ditador otomano”.