O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o Primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, no Salão Oval da Casa Branca (GPO). O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o Primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, no Salão Oval da Casa Branca (GPO).

Reunião entre os dois líderes estava programada para durar 25 minutos apenas mas estendeu-se por quase uma hora. “Nos tornamos bons amigos”, disse o Presidente dos Estados Unidos.


Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 29/08/2021

 

Na tarde da última sexta-feira (26) o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebeu o Primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, no Salão Oval da Casa Branca. Programada para acontecer na quinta-feira, a reunião entre os dois líderes foi adiada em função do atentado terrorista que matou dezenas de pessoas no aeroporto de Cabul.

Em sua primeira viagem internacional no cargo de Primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett foi a Washington para entre outras coisas, apresentar à cúpula do governo americano um plano desenvolvido por Jerusalém para impedir que o Irã obtenha armas nucleares. Antes de reunir-se com Biden, ele foi recebido pelo Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, e pelo Secretário da Defesa, Lloyd Austin.

Jerusalém e Washington divergem sobre o que deve ser feito para impedir que o regime dos aiatolás se transforme em uma potência nuclear. Enquanto Israel defende a manutenção e agravamento da sanções imposta a Teerã pelo ex-presidente Donald Trump, além da opção militar, a administração Biden defende a restauração do acordo nuclear JCPOA, assinado em 2015 por Barack Obama.

Bennett chegou à Casa Branca instantes antes do início do shabat em Israel e sua reunião privada com Biden, programada para durar apenas 25 minutos, se estendeu por quase uma hora.  Em um determinado momento, ambos deixaram o Salão Oval da Casa Branca e foram juntos tomar um café, até serem interrompidos pelos assessores do presidente americano preocupados com o atraso em sua agenda.

“Nos tornamos bons amigos”, disse Joe Biden, que durante sua carreira política, conheceu todos os premiers israelenses desde Golda Meir.

 

Biden: “O Irã nunca terá armas nucleares”.

 

Do ponto de vista israelense a reunião não poderia ter sido melhor, Bennett conseguiu que Joe Biden finalmente dissesse publicamente que considera outras opções além das vias diplomáticas perante o governo de Ibrahim Raisi.

“Se a diplomacia falhar estamos dispostos a usar outras opções”, disse Biden ao reafirmar seu comprometimento com a segurança de Israel e prometer que não deixará que o Irã desenvolva armas nucleares.

De acordo com uma nota divulgada pela Casa Branca, Biden e Bennett conversaram sobre a luta contra a pandemia do coronavírus e sobre os resultados iniciais da campanha de vacinação israelense. Em julho deste ano, Israel tornou-se o primeiro país do mundo a aprovar a administração da terceira dose da vacina da Pfizer contra a covid-19 para maiores de 60 anos. Hoje, esta campanha foi estendida à toda a população.

Sem citar o termo “Acordos de Abraão”, criado durante a administração Trump, o presidente americano disse que trabalhará junto a Bennett para que mais países muçulmanos normalizem suas relações com Israel. Isto, à exemplo dos Emirados Árabes, Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos.

Sem entrar em detalhes, Biden disse também que tem o interesse de promover a paz entre israelenses e palestinos.

Por fim, o presidente americano, assim como seu Secretário de Estado, disse que irá avançar o projeto de inclusão de Israel no Programa de Isenção de Vistos dos Estados Unidos.